seguir no FACEBOOK

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Filme mostra trajetória do carnavalesco curitibano Ney Souza. “Nunca fui oprimido”

Filme mostra trajetória do carnavalesco curitibano Ney Souza. “Nunca fui oprimido”
Curta-metragem dirigido por Estevan Silveira conta a história de um dos carnavalescos mais importantes do Brasil




Ney Souza em seu apartamento: destaque do carnaval. Albari Rosa/Gazeta do Povo


O amplo apartamento em que vive na praça Santos Andrade é um retrato das diferenças na personalidade do estilista e carnavalesco Ney Souza. De um lado, a casa é bem organizada, com quadros, louças e tapeçaria sofisticada que herdou da família.

A outra metade ele converteu em seu atelier, mais caótico e animado. Cheio de plumas, paetês, chapéus, manequins de antigos vestidos de noiva e livros de história de onde tirou as referências das centenas de fantasias que criou para carnavais nos últimos sessenta anos.
“Eu fico mais do lado de cá [do atelier] mesmo. Foi aqui que as coisas sempre aconteceram para mim. Existe mais de um Ney. O que todos conhecem é o que aparece no Carnaval, mas há muitos outros”.
A vida agitada de Ney Souza está narrada no filme “Ney Souza – O Senhor do Tempo”, do cineasta Estevan Silveira que será exibido nesta terça-feira (27) na Cinemateca de Curitiba.

“Percebi que a história dele merecia um filme. Então a equipe do filme passou a acompanhá-lo no Carnaval por três anos seguidos”.O curta-metragem é focado na persona carnavalesca de Ney Souza. Silveira explica que a ideia surgiu, conta Silveira, quando o estilista o ajudou a compor o figurino de seu filme “Lulu, a Louca”, baseado em texto de Dalton Trevisan.
Publicidade
O nome do filme é uma referência a uma fantasia usada por Ney no Carnaval de 2015, na escola de samba Mocidade Azul. “Ele apareceu vestido de Cronos [o deus do tempo na mitologia grega] para mostrar que, assim pisa na avenida, consegue parar o tempo”.
Antes da exibição do filme será lançada uma exposição com quatro fantasias criadas pro Souza para carnavais diferentes.

Profissional sim, folião não

Apesar de ser o carnavalesco mais célebre de Curitiba, Ney Souza conta que nunca foi folião. “Sempre fui um profissional do Carnaval. Tinha rotina de viagens, horários, cada dia num lugar e clube diferente, nada de beber e ficar na fuzarca até às cinco da manhã, porque no outro dia tinha de novo”.
Nascido em Prudentópolis, na região central do estado, Souza fez história não só nos desfiles de Carnaval, mas também como estilista e figurinista de teatro.
O ofício ele desenvolveu em uma temporada de quatro anos em Buenos Aires na década de 1960. “Foi o momento chave da minha vida. Era um absurdo, eu gostava de costura. Não existia faculdade. Um homem não podia entrar no local aonde senhoras aprendiam corte e costura, nem pensar”.
Foram dele os figurinos da montagem do “Quebra-Nozes”, a primeira grande peça do ballet Teatro Guaíra, em 1980. Souza também estima ter vestido milhares de noivas curitibana que recebia em seu atelier. Hoje ele se diz aposentado e tem como objetivo tirar do papel um projeto de um museu da moda em Curitiba.



Nenhum comentário:

Postar um comentário