seguir no FACEBOOK

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O Brasil é mais forte que o mosquito!!!

Enquanto navios negreiros se deslocavam pelo Atlântico transportando, nas piores condições possíveis, milhares de escravos para servir aos “senhores” brasileiros, uma praga pegou carona e em pleno século 21 continua assombrando todo território nacional. Originário do Egito, o Aedes aegypti começou a invadir o Brasil em meados do século 19. Antes, o mosquito já havia chegado a outras localidades das Américas e, posteriormente, alcançou a Ásia a partir da costa oeste africana.
Velho conhecido dos verões brasileiros, este é o primeiro em que o inseto tem a capacidade de transmitir três doenças distintas: dengue, chikungunya e zika. Tempos atrás, porém, a realidade era outra. Por nove anos, o país conseguiu ficar livre do Aedes, que também é transmissor da febre amarela. Segundo o pesquisador Rodrigo Cesar Magalhães, autor de uma tese sobre o assunto defendida no Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Fiocruz, o mosquito foi erradicado no Brasil em 1955, fato que foi confirmado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) em 1958.
“Esta conquista foi resultado de campanhas contra a febre amarela desenvolvidas do país desde as primeiras décadas do século 20 e que, a partir dos anos 1920, contaram com a participação da Divisão de Saúde Internacional da Fundação Rockefeller, que em 1918 havia lançado uma campanha mundial de erradicação da doença”, relata Magalhães.
O passo decisivo, no entanto, foi dado em 1947, quando, por sugestão do governo brasileiro, a Opas lançou uma campanha continental para a erradicar oAedes aegypti. “Foi uma articulação inédita das repúblicas americanas para combater conjuntamente um problema sanitário. O Brasil e outras 10 nações do continente foram declarados livres do mosquito”, explica.
O retorno
O fim do Aedes, porém, durou menos de uma década. O inseto reapareceu em Belém, em 1967, reinfestando o território brasileiro rapidamente. Magalhães explica que alguns fatores foram fundamentais para o retorno do mosquito. “A campanha para a erradicação do Aedes aegypti não foi bem-sucedida em todo o continente. Na América Central e Caribe e em algumas regiões da Colômbia e da Venezuela, o mosquito desenvolveu resistência ao DDT, principal inseticida utilizado na erradicação”, afirma o pesquisador. Nos Estados Unidos, o mosquito nunca deixou de existir.
Magalhães relata que dessas regiões, o mosquito reinfestou áreas de onde já havia sido erradicado – como o Brasil – através da circulação de pessoas por vias marítimas e terrestres.
O governo nacional também pecou e cantou vitória antecipadamente. “O governo brasileiro reduziu drasticamente as atividades e o número de funcionários dedicados ao controle do mosquito”, afirma. O resultado pode ser visto quase cinco décadas depois, com o Aedes presente em todos os estados brasileiros.
  •  
  •  
Texto publicado na edição impressa de 13 de fevereiro de 2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário